Nostalgia: Fome de Viver

Fotos – Warner

Pela eternidade Miriam Blaylock colecionou amores, os substituindo a medida que a juventude deles se perdia. Protagonista de Fome de Viver, a personagem imortal – nunca chamada de vampira ao longo do filme -, ganhou a representação icônica da musa francesa Catherine Deneuve. Pertencente a uma linhagem egípcia, Miriam – que para todo o sempre manteve sua beleza -, tem a companhia de John Blaylock, interpretado pelo saudoso ícone pop David Bowie, falecido em 10 de janeiro de 2016. Transformado por Miriam, ele precisa dormir por seis horas e se alimentar de sangue humano uma vez por semana para permanecer jovem. Problemas de insônia o levam a uma rápida decadência física, e a procurar a cientista Sarah Roberts (Susan Sarandon), notória por desenvolver um estudo avançado sobre a relação entre sono, juventude e uma utópica imortalidade. Não apenas John cruza o caminho da doutora, mas também Miriam. Esse encontro dará origem a uma forte atração entre as duas. Continuar lendo Nostalgia: Fome de Viver

Perfil: Mickey Rourke

mickey_rourke_01
Divulgação

Enaltecido por críticos nos anos 80 como o próximo Marlon Brando – incluindo a saudosa revista SET, que em sua primeira edição em julho de 1987 o chamou de “novo mito das telas”, MICKEY ROURKE foi engolido pelo ego, que o fez acreditar que na época já era um ator pronto. Também por conta do temperamento difícil e pelas escolhas equivocadas, ruiu física e profissionalmente aos olhos do público, como um ídolo de barro. Boxeador por paixão e ator por talento, ele ingressou nos anos 70 no renomado Actors Studio, após ser forçado a deixar os ringues em decorrência de contusões. Elia Kazan, um dos fundadores da associação e diretor do clássico Uma Rua Chamada Pecado, considerou a audição de Rourke a melhor em 30 anos.

Continuar lendo Perfil: Mickey Rourke

Bilheteria EUA 04 – 06 de abril: Capitão América 2 – O Soldado Invernal

capitao_america2_02
Disney

Três anos após chegar aos cinemas com seu filme solo – e com o mega sucesso de Os Vingadores: The Avengers nesse meio tempo – o herói Capitão América retorna às telonas com a sequência O Soldado Invernal (Captain America – The Winter Soldier, Disney)que dá continuidade a fase 2 do universo cinematográfico da Marvel Comics. Com uma estreia superior ao longa de 2011, a aventura estrelada mais uma vez por Chris Evans conquistou a primeira posição no box office norte-americano com uma renda satisfatória: US$ 96,20 milhões de dólares, a maior abertura do mês de abril. A produção que chega aos cinemas brasileiros na próxima quinta-feira, 10 de abril, acompanha a adaptação de Steve Rogers ao séculos 21 e sua colaboração com a S.H.I.E.L.D., na luta contra um inimigo misterioso ligado ao seu passado. Scarlett Johansson, Samuel L. Jackson, Sebastian Stan, Cobie Smulders, Toby Jones e Hayley Atwell retornam como a Viúva Negra, Nicky Fury, Bucky Barners, Maria Hill, Arnin Zola e Peggy Carter, respectivamente. Com orçamento de US$ 170 milhões, Capitão América 2 – O Soldado Invernal tem direção dos irmãos Anthony Russo (da comédia Dois é Bom, Três é Demais), trazendo ainda no elenco Anthony Mackie (Falcão), Emily VanCamp (Agente 13) e Robert Redford como Alexander Pierce, líder da S.H.I.E.L.D.

Confira as cinco maiores aberturas da carreira de Chris Evans *sem correção de inflação

Os Vingadores: The Avengers (2012) – 207,43 •  Capitão América 2 – O Soldado Invernal (2014) – 96,20 •  Capitão América – O Primeiro Vingador (2011) – 65,05 •  Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado (2007) – 58,05 •  Quarteto Fantástico (2005) – 56,06 

noe_05
Crowe em Noé, de Darren Aronofsky / Paramount Pictures

Completam o top 5, Noé – épico de Darren Aronofsky, estrelado por Russell Crowe e Jennifer Connelly, a aventura Divergente, e as produções independentes God’s Not Dead e The Grande Budapest Hotel, novo longa do diretor Wes Anderson (Os Excêntricos Tenenbaums/Moonrise Kingdom) e com elenco de atores destacados: Ralph Fiennes, Edward Norton, F. Murray Abraham, Adrien Brody, Willem Dafoe, Jeff Goldblum, Harvey Keitel, Jude Law, Bill Murray, Saoirse Ronan, Tilda Swinton e Tom Wilkinson.

Confira abaixo o Top 5 do fim de semana

 Capitão América 2 – O Soldado Invernal (Captain America – The Winter Soldier) – $96,20* – $96,20** – $303,30***

 Noé (Noah) – $17,00* – $72,34** – $178,54***

 Divergente (Divergent) – $13,00* – $114,02** – $136,42***

 God’s Not Dead – $7,72* – $32,52**

 The Grande Budapest Hotel – $6,30* – $33,38** – $87,72***

* Bilheteria do fim de semana  ** Bilheteria total  *** Bilheteria Mundial

Com Noé Darren Aronofsky traz o épico bíblico para o século 21

“Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.”

– Gênesis 6:13-14

noe_01
Russell Crowe em cena de Noé / Paramount Pictures

Foi aos 13 anos que o fascínio pela passagem bíblica sobre Noé teve início na vida do diretor Darren Aronofsky, um dos mais importantes cineastas da nova geração. Realizador de obras aclamadas como π (Pi), Réquiem para Um Sonho, O Lutador e Cisne Negro – que rendeu uma indicação ao Oscar de melhor direção -, Aronofsky começou o desenvolvimento da adaptação da história bíblica no início da década de 2000. Após a produção da ficção científica Fonte da Vida ser interrompida pela desistência de Brad Pitt. Com Ari Handel, parceiro de filmes anteriores, como colaborador, o diretor desenvolveu uma graphic novel com arte de Niko Henrichon adaptando o roteiro a ser filmado. Tendo ela em mãos, Aronofsky conseguiu o financiamento necessário para a produção do longa, através de um acordo de sua produtora Protoza Pictures com a Regency Enterprises e distribuição da Paramount Pictures.

noe_02
Paramount Pictures

Com orçamento de US$ 125 milhões de dólares, as filmagens de Noé tiveram início em julho de 2012 com locações na Islândia e Nova York; O filme traz no papel título o astro neozelandês Russell Crowe – que ficou com o papel após as recusas de Christian Bale e Michael Fassbender. Para interpretar Naameh, esposa do profeta, Aronofsky retomou parceria com Jennifer Connelly mais de uma década após Réquiem para Um Sonho. Para a atriz representou também um reencontro com Crowe, com quem atuou em Uma Mente Brilhante. Ambos estiveram ainda no elenco de Um Conto do Destino. Outros nomes de destaque da produção são Ray Winstone, Emma Watson, Nick Nolte e Anthony Hopkins como Matusalém.

noe_03
Aronofsky e Crowe nos bastidores de Noé / Paramount Pictures

Banido em países do Oriente Médio, o longa dá sequência a algo sempre presente nas obras de Darren Aronofsky: protagonistas perturbados e que não medem esforços para tornar real os objetivos traçados. Mais um estudo da alma humana. Assim como o visto em O Lutador e Cisne Negro. O diretor contorna as controvérsias – sempre presentes em longas que retratam passagem bíblicas -, afirmando que “tudo o que foi filmado está ligado ao Gênesis. A arte faz a sua própria interpretação: aconteceu nos textos do Vaticano, acontece no meu filme e acontecerá enquanto existir o ser humano”. Mantendo sua assinatura de autor, Aronofsky evitou que pesquisas realizadas junto a grupos religiosos interferisse no corte final da produção, como desejava a Paramount. Dessa forma, preservando sua visão sobre a conhecida história bíblica. Bem recebido pela crítica norte-americana e com uma arrecadação de US$ 46,82 milhões de dólares – a maior estreia da carreira do diretor -, Noé chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 2 de abril.

Perfil: Jennifer Connelly

jenniferconnelly_01Bela e talentosa, Jennifer Connelly começou a atuar ainda adolescente. Sua estreia nos cinemas aconteceu em 1984 aos 14 anos, com o drama de Sergio Leone Era Uma Vez na América. Na sequencia esteve em duas produções dos anos 80 que se tornaram cultPhenomena de Dario Argento e Labirinto – A Magia do Tempo, longa infanto-juvenil com David Bowie e dirigido por Jim Henson, criador dos Muppets.

A transição para papéis adultos ocorreu com a femme fatale de Hot Spot – Um Lugar Muito Quente e a adaptação das HQ Rocketter. Recebeu críticas favoráveis por atuações em Círculos de PaixãoCidade das Sombras, ficção cult de Alex Proyas, e no drama produzido por Jodie Foster, Amor Maior com a Vida. Após uma rápida passagem pela televisão na série The $treet, que durou apenas 12 episódios, Connelly arrebatou o público e a crítica com sua complexa e corajosa atuação em Réquiem para Um Sonho, segundo longa dirigido por Darren Aronofsky. Por seu desempenho foi indicada ao Independent Spirits como melhor coadjuvante em 2000, e a escalação para o elenco do drama de Ron Howard Uma Mente Brilhanteque deu a estrela diversos prêmios como melhor coadjuvante de 2001, entre eles o Oscar, BAFTA, Critics Choice e Globo de Ouro.

jenniferconnelly_02
Labirinto – A Magia do Tempo – Sony Pictures / Hot Spot – Um Lugar Muito Quente – MGM

“Escolhi não viver em Hollywood, e ao invés disso vivo no Brooklyn, Nova York. É assim que gosto de viver. Prefiro sair com meus filhos e a família quando não estou trabalhando. Ir às pré-estreias não é minha ideia de diversão” 

– Jennifer Connelly

jenniferconnelly_03
Réquiem para Um Sonho – Europa Filmes / Uma Mente Brilhante – Universal / Casa de Areia e Névoa – Warner

Na sequência, em 2003, protagonizou ao lado de Eric Bana Hulk, ótima adaptação da HQ homônima pelas mãos de Ang Lee, e o drama Casa de Areia e Névoa, em que entregou outra grande atuação indicada ao Critics Choice de melhor atriz, mas infelizmente esnobada no Oscar daquele ano. Outros momentos memoráveis da atriz foram no suspense de Walter Salles: Água Negra, o drama de Todd Field Pecados Íntimos, em que atuou com Kate Winslet e Patrick Wilson, Diamante de Sangue com Leonardo DiCaprio e Traídos pelo Destino com Joaquin Phoenix e Mark Ruffalo. Em 2008, Jennifer deu uma virada mais comercial na carreira ao estrelar com Keanu Reeves, a ficção O Dia Que a Terra Parou, e um ano depois com a comédia romântica Ela não Está tão a Fim de Você, que trazia também no elenco Drew Barrymore, Jennifer Aniston, Scarlett Johansson e Ben Affleck. Seus mais recentes trabalhos foram três comédias: a comercial O Dilema, que a reuniu com o diretor Ron Howard após dez anos do sucesso Uma Mente Brilhante, e as independentes E… Que Deus Nos Ajude!!! e Stuck in Love.

jenniferconnelly_04
Água Negra – Disney / O Dia Que a Terra Parou – Fox / O Dilema – Universal

Uma das mais talentosas atrizes do cinema contemporâneo e musa incontestável, Jennifer Connelly tem quatro projetos promissores: o drama Cry/Fly, o épico Noah – drama que marca sua segunda parceria com o diretor Darren Aronofsky (Réquiem para Um Sonho) e com o ator Russell Crowe (Uma Mente Brilhante), a fantasia Winter’s Tale – também com Crowe, e que traz no elenco também Will Smith, Colin Farrell e William Hurt, além do drama independente Shelter, longa que marca a estreia do seu marido, Paul Bettany, na direção.

Próxima atração – Virginia com Jennifer Connelly

Divulgação – Entertainment One

Virginia é uma mulher com temperamento instável e distúrbios psicológicos, que por duas décadas vive um romance secreto com o xerife da pequena cidade em que vive. Depressiva, ela tem seu único apoio na figura do filho Emmet, que desconhece a identidade real de seu pai biológico. Estrelado por uma loura Jennifer Connelly, a produção marca a estreia do roteirista Justin Lance Black, Oscar por Milk – A Voz da Igualdade, como diretor.

Filmado em 2009 o longa, que na época trazia o título What’s Wrong with Virginia, estreou no ano seguinte durante o Festival de Toronto. Com uma recepção morna, o filme recebeu péssimas críticas, que elogiavam apenas a “forte atuação” de Connelly como a protagonista. Com a má aceitação, o longa teve seu título encurtado para apenas Virginia, e voltou para a sala de edição. É essa a versão final da produção independente que chegará aos cinemas norte-americanos em 18 de maio.

Além de Connelly, estão no elenco: Harrison Gilbert e Ed Harris, como o filho e o amante da protagonista, respectivamente.

Confira os próximos projetos cinematográficos de Angelina Jolie

Divulgação

A bela Angelina Jolie completa neste sábado, quatro de junho, 36 anos. Ícone incontestável do cinema contemporâneo, a atriz possui projetos em desenvolvimento e prestes a estrear nos próximos meses. Veja os novos desafios da estrela.

Kung Fu Panda 2   

A sequência do sucesso de 2008 estreou nos EUA na semana passada conquistando a aprovação da crítica e a segunda posição no “Box Office” com 47,65 milhões de dólares em três dias. A produção que chega ao Brasil na próxima sexta-feira, 10 de junho, traz novamente Jolie como a Tigresa que junto do panda Po e os demais quatro samurais terão que defender a China do vilão Lorde Sheen, disposto a conquistar a região a qualquer custo. O elenco de dubladores têm também Jack Black, Dustin Hoffman, Gary Oldman, Jackie Chan, Lucy Liu, Michele Yoh e Jean Claude-Van Damme. Kung Fu Panda 2 é o quarto longa ao qual Angelina empresta sua sedutora voz.

In The Land of Blood and Honey

O drama que narra a história de amor entre um sérvio (Goran Kostic) e uma jovem muçulmana (Zana Marjanovic) tendo como pano de fundo a Bósnia antes da guerra étnica em 1992, marca a estréia de Angelina Jolie como diretora e roteirista. Com a estréia norte-americana marcada para o dia 23 de dezembro deste ano, o longa independente possui um competente grupo de profissionais nos bastidores. A produção ficou a cargo de Graham King, Oscar de melhor filme por Os Infiltrados de Martin Scorsese, através de sua produtora a GK Films, mesma que produziu o equivocado O Turista, que apesar das críticas desfavoráveis foi indicado a três prêmios Globo de Ouro e rendeu em sua bilheteria internacional 278,30 milhões de dólares, comprovando a força de Jolie junto ao público mundial. In The Land of Blood and Honey têm direção de fotografia de Dean Semler, Oscar por Dança com Lobos e trilha sonora composta por Gabriel Yared, indicado a três prêmios Oscar e vencedor por O Paciente Inglês. A estréia de Angelina como diretora parece promissora, tanto que ela pretende dirigir Anthony Hopkins em Churchill and Roosevelt, que abordará os bastidores políticos da época.

Leia também: Perfil Angelina Jolie

Cleópatra

James Cameron e Paul Greengrass foram convidados e recusaram a oportunidade de dirigir Angelina Jolie como a rainha do Egito Cleópatra no filme homônimo e que adapta o “best-seller” de Stacy Schiff, Cleopatra: A Life. David Fincher, amigo pessoal de Jolie, segue em negociações com o produtor Scott Rudin para assumir o comando do filme, que têm estréia em 3D prevista para 2013. Em oposição aos longas anteriores, com destaque aos de 1945 e 1963 estrelados respectivamente por Vivien Leigh e Elizabeth Taylor, o novo projeto centrará suas atenções nas ações políticas da imperatriz, em sua força como mulher e mãe.

“(Cleópatra) foi uma mãe muito forte. Ela falava cinco línguas e era uma líder.”

– Angelina Jolie sobre sua pesquisa a respeito da imperatriz do Egito ao jornal britânico The Telegraph

Angelina no set de filmagens de In The Land of Blood and Honey

Maleficent

Desde 2009 a Disney segue desenvolvendo uma nova versão para o conto A Bela Adormecida, que teve sua versão mais famosa em 1918 pelas mãos dos Irmãos Grimm. O diferencial do novo projeto é a abordagem da história, tendo como personagem principal a bruxa Malévola, papel que segue no colo de Angelina Jolie, e uma atmosfera sombria. Brad Bird (Os Incríveis) e Tim Burton, que comandou no ano passado a adaptação de Alice no País das Maravilhas e está acostumado com o visual gótico de produções como Batman e A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, foram nomes cotados para assumir a direção do longa. Ambos optaram por seguir para outros projetos. Darren Aronofsky, diretor do fantástico Cisne Negro, é o nome da vez para comandar Maleficent que terá roteiro de Linda Woolverton (Alice no País das Maravilhas) e estréia prevista para 2013.

Kung Fu Panda 2 estreia nos cinemas brasileiros em 10 de junho.

Oscar 2011: Natalie Portman, a melhor atriz do ano

Grávida de cinco meses, Natalie foi a grande vencedora da noite / Foto: Divulgação

A ideia dos produtores da 83ª edição do Oscar realizada no domingo, 27 de fevereiro, era de renovar a premiação e assim aumentar o poder de alcance entre os jovens, maior fatia de renda nos cinemas em qualquer época. A ideia ficou apenas no papel. Recrutar Anne Hathaway e James Franco, dois atores com apelo junto ao público jovem, resultou em decepção. A futura intérprete da Mulher-Gato até que se saiu bem, com suas inúmeras trocas de vestidos. Apesar de um pouco afetada, Anne estava simpática e com um bom tempo de comédia. Já seu parceiro Franco foi um desastre, sua canastrice lembrou sua participação na série Homem-Aranha, onde interpretou o temperamental Harry Osborn.

Agora vamos ao mais importante, a entrega dos prêmios. Dois dos filmes representantes dessa “renovação”, foram preteridos por O Discurso do Rei. A Origem de Christopher Nolan ficou com quatro prêmios, todos técnicos: fotografia, efeitos visuais, edição e mixagem de som. Enquanto que  A Rede Social levou apenas três: roteiro adaptado, trilha sonora e montagem. Perdendo os prêmios de melhor filme e direção para O Discurso do Rei e o desconhecido Tom Hooper. Uma grande decepção ver o genial David Fincher, realizador de clássicos contemporâneos como Clube da Luta e Se7en – Os Sete Crimes Capitais perder na categoria direção. No campo das interpretações, nenhuma surpresa. Colin Firth, Christian Bale e Melissa Leo – com um discurso longo e chato, fingindo estar surpresa, venceram nas categorias ator e coadjuvantes por suas atuações em O Discurso do Rei e O Vencedor respectivamente.

Uma linda mulher

Ela estava bela e graciosa como de costume, nos olhos a expectativa da concretização de uma certeza: o prêmio seria dela. E foi. Jeff Bridges, escolhido melhor ator no ano passado por Coração Louco, subiu ao palco para entregar o prêmio de melhor atriz do ano. Sem nenhuma surpresa, mas com total merecimento Natalie Portman foi chamada ao palco para receber o prêmio – de muitos – que consagra a melhor atuação feminina dos últimos anos, sua composição frágil e densa de Nina Sawyer. A bailarina que busca a perfeição a todo custo e entra num turbilhão de emoções ao ser escolhida como protagonista da montagem de O Lago dos Cisnes em Cisne Negro, que Darren Aronofsky realizou com grande esmero. O filme saiu com apenas uma estatueta, merecia muito mais, inclusive deveria ter recebido o prêmio de melhor filme. Não aconteceu, porém o longa já está eternizado na história do cinema por trazer Portman em um momento inspirado, mostrando que ainda há espaço para arte no cinema industrial de Hollywood.

Principais vencedores da 83ª edição do Oscar

Filme – O Discurso do Rei

Direção – Tom Hooper, O Discurso do Rei

Ator – Colin Firth, O Discurso do Rei

Atriz – Natalie Portman, Cisne Negro

Ator coadjuvante – Christian Bale, O Vencedor

Atriz Coadjuvante – Melissa Leo, O Vencedor

Roteiro Adaptado – A Rede Social

Roteiro Original – O Discurso do Rei

Animação Longa-metragem – Toy Story 3

Outras categorias

Um dia antes da entrega do Oscar, foram escolhidos os piores do ano pelo Framboesa de Ouro 2011, confira:

As "malas" de Sex and The City 2
As “malas” de Sex and The City 2

Pior filme – O Último Mestre do Ar

Pior diretor – M. Night Shyamalan, O Último Mestre do Ar

Pior ator – Ashton Kutcher, Par Perfeito e Idas e Vindas do Amor

Pior atriz – Sarah Jessica Parker, Kim Cattrall, Cynthia Nixon e Kirsten Davis, Sex and The City 2

Pior atriz coadjuvante – Jessica Alba, The Killer Inside Me, Entrando numa Fria Maior Ainda com a Família, Machete e Idas e Vindas do Amor

Pior ator coadjuvante – Jackson Rathbone, O Último Mestre do Ar e A Saga Crepúsculo: Eclipse

Outros “vencedores

Oscar 2011: Natalie Portman é indicada ao prêmio de melhor atriz

Portman: melhor atuação feminina do ano / Divulgação – Fox

Poucas surpresas marcaram as indicações ao 83º Academy Awards anunciadas nesta manhã em Los Angeles. A produção inglesa O Discurso do Rei lidera em número de nomeações com 12 no total, destaque para melhor filme, diretor para Tom Hooper, ator para Colin Firth, coadjuvantes para Geofrey Rush e Helena Boham Carter e roteiro original. Na sequência com dez indicações vem Bravura Indômita, entre elas filme, diretor, ator para Jeff Bridges, atriz coadjuvante para a menina Hailee Steinfeld e roteiro adaptado. O longa dos irmãos Joel e Ethan Coen é uma refilmagem do western dos anos 60 estrelado por John Wayner e vem fazendo um grande sucesso nos cinemas dos EUA.

O genial e melancólico Cisne Negro, melhor filme lançado no ano passado, recebeu cinco indicações: filme, diretor para Darren Aronofsky, fotografia, montagem e a principal delas: melhor atriz para Natalie Portman. Indicada em 2005 como coadjuvante por Closer – Perto Demais, a atriz é a favorita por sua representação irrepreensível de uma bailarina atormentada com o ideal de perfeição imposto por ela e todos que a cercam. Curiosamente o roteiro de Cisne Negro foi injustamente esnobado pelos votantes da academia, assim como Christopher Nolan pela direção de A Origem, longa indicado à oito prêmios Oscar. Mesmo número de A Rede Social, que pode dar a David Fincher seu merecido Oscar de melhor diretor.

Entre os documentários, o brasileiro Lixo Extraordinário, dirigido por Lucy Walker, Karen Harley e João Jardim foi um dos nomeados. Assim como a superprodução Salt, com Angelina Jolie. Indicada na categoria de melhor mixagem de som. O Oscar 2011 será apresentado pela gata Anne Hathaway e James Franco, indicado ao prêmio de melhor ator por 127 Horas. No Brasil o canal por assinatura TNT exibirá a premiação ao vivo em 27 de fevereiro.

Confira os indicados as categorias principais:

Melhor filme: Cisne Negro / O Vencedor / A Origem /O Discurso do Rei / A Rede Social / Minhas Mãe e Meu Pai / Toy Story 3 / 127 Horas /Bravura Indômita / Inverno da Alma

Melhor direção: Darren Aronofsky, Cisne Negro/ David Fincher, A Rede Social / Tom Hooper, O Discurso do Rei / David O. Russell, O Vencedor / Joel e Ethan Coen, Bravura Indômita

David Fincher e a turma de A Rede Social / Divulgação – Sony

Melhor ator: Jesse Eisenberg, A Rede Social / Colin Firth, O Discurso do Rei / James Franco, 127 Horas / Jeff Bridges, Bravura Indômita /Javier Bardem, Biutiful

Melhor atriz: Nicole Kidman, Reencontrando a Felicidade / Jennifer Lawrence, Inverno da Alma/ Natalie Portman, Cisne Negro / Michelle Williams, Blue Valentine / Annette Bening, Minhas Mães e Meu Pai

Melhor ator coadjuvante: Christian Bale, O Vencedor/ Jeremy Renner, Atração Perigosa / Geoffrey Rush, O Discurso do Rei / John Hawkes, Inverno da Alma / Mark Ruffalo, Minhas Mães e Meu Pai

Melhor atriz coadjuvante: Amy Adams, O Vencedor / Helena Boham Carter, O Discurso do Rei / Jacki Weaver, Animal Kingdom / Melissa Leo, O Vencedor / Hailee Steinfeld, Bravura Indômita

Veja os demais indicados