Aniversariante do dia: Angelina Jolie

Foto – Guerlain

Musa máxima do cinema, Angelina Jolie comemora hoje 42 anos. Cada vez mais afastada da atuação, a estrela prioriza seu trabalho humanitário e paixão pela direção, iniciada em 2007 com o documentário A Place in Time. Nesses dez anos, Jolie dirigiu quatro longas-metragens – sendo Invencível seu maior sucesso comercial, com 163 milhões arrecadados e três indicações ao Oscar -, e First They Killed My Father o mais recente, com estreia marcada para setembro na Netflix. Filha dos atores Jon Voight, de Perdidos na Noite e Amargo Regresso, e Marcheline Bertrand, Angelina estreou no cinema aos sete anos, ao lado do pai, na comédia Lookin’ to Get Out. Chamou atenção de crítica e público no final dos anos 90, com atuações arrebatadoras e premiadas em Gia – Fama e Destruição e Garota, Interrompida, pelo qual recebeu o Oscar de melhor atriz coadjuvante em 2000. Continuar lendo Aniversariante do dia: Angelina Jolie

Anúncios

Com Angelina Jolie, há 15 anos Lara Croft abria as portas para as heroínas no cinema

angelinajolie_laracroft_tombraider_1
Paramount Pictures

Lá se vão 15 anos da estreia nas telonas da maior heroína dos games Lara Croft, interpretada pela musa Angelina Jolie. Em 15 de junho de 2001, Lara Croft: Tomb Raider fez história ao arrecadar em sua abertura 47 milhões de dólares – de um total de US$ 274 milhões no mundo. Se tornando a maior estreia de um filme centrado numa personagem feminina naquele momento. Nem as críticas negativas, exageradas, afastaram o público.  Continuar lendo Com Angelina Jolie, há 15 anos Lara Croft abria as portas para as heroínas no cinema

Alicia Vikander é a nova Lara Croft, mas queria mesmo era o retorno de Angelina Jolie

tombraider_reboot_aliciaikander_02
Fotos – Divulgação / Square Enix

O reboot de Tomb Raider finalmente ganhou sua protagonista após anos de especulações e adiamentos. Caberá a atriz revelação de 2015, Alicia Vikander, o desafio de interpretar a maior heroína dos games: Lara Croft. Personagem que tem na musa Angelina Jolie sua imagem eternizada. Logicamente, a Lara desse reboot é outra. É a personagem do reinício que a série ganhou em 2011 com Tomb Raider. Enquanto a Croft de Angelina é a versão da personagem clássica dos jogos que se popularizou no PlayStation nos anos 90. Inegavelmente a minha Lara Croft preferida. Tanto a personagem – sexy, destemida e cheia de atitude, quanto os jogos, que uniam desafio e ação na medida exata. A Lara atual, em início de carreira, perdeu muito do encanto, mesmo que o jogo seja muito bem produzido e desafiante. Alicia Vikander é uma sueca de 27 anos alçada a fama no ano passado com trabalhos elogiados em Ex Machina e A Garota Dinamarquesa, filme pelo qual recebeu o Oscar de atriz coadjuvante. Tomb Raider tem previsão de estreia em 2017 com direção de Roar Uthaug (de Presos no Gelo) e roteiro de Geneva Robertson-Dworet (Transformers 5). Continuar lendo Alicia Vikander é a nova Lara Croft, mas queria mesmo era o retorno de Angelina Jolie

Agora vai?: Reboot de Tomb Raider ganha diretor

Há cinco anos em desenvolvimento, TOMB RAIDER, reboot das aventuras da arqueóloga Lara Croft, tem seu diretor oficializado, o norueguês ROAR UTHAUG. Será a estreia do realizador em Hollywood, que tem no currículo Presos no Gelo e Fuga, um thriller de ação. O filme servirá como reinício para a série, assim como o game homônimo foi em 2013, trazendo uma nova leitura da heroína.

tomb_raider_02
As clássicas Lara Croft dos games e de Angelina Jolie / Fotos – Square Enix / Reprodução – Paramount Pictures

Continuar lendo Agora vai?: Reboot de Tomb Raider ganha diretor

Cena em destaque: Lara Croft escapa do Templo Angkor

Sequência espetacular do filme Lara Croft: Tomb Raider – sucesso estrelado por Angelina Jolie em 2001.

Continuar lendo Cena em destaque: Lara Croft escapa do Templo Angkor

Lara Croft Tomb Raider: A Origem da Vida completa 10 anos

tombraider_aorigemdavida_02
Lara em Santorini / Paramount Pictures

Lançado nos cinemas norte-americanos em 25 julho de 2003 – no Brasil a produção estreou em 15 de agosto, há exatos 10 anos, Lara Croft Tomb Raider: A Origem da Vida (Lara Croft Tomb Raider: The Cradle of Life, Paramount) trazia Angelina Jolie novamente como a intrépida arqueóloga Lara Croft. Em uma aventura que a colocava em busca da mitológica Caixa de Pandora e dos segredos nela contidos. A atriz recebeu US$ 12 milhões de dólares para voltar ao papel.

Completavam o elenco, o então desconhecido Gerard Butler (300) como Terry Sheridan – mercenário e interesse romântico da heroína, Ciarán Hinds interpretando o vilão megalomaníaco Jonathan Reiss, Djimon Hounsou vivendo Kosa – um amigo de Lara, além dos retornos de Noah Taylor (Bryce) e Chris Barrie (Hillary). A direção ficou a cargo do inconstante Jan De Bont, de sucessos como Velocidade Máxima e Twister e bombas como Velocidade Máxima 2 e A Casa Amaldiçoada.

tombraider_aorigemdavida_03
Paramount Pictures

O filme apresentou belas locações em Santorini (Grécia) – palco da sequência de abertura do longa, Irlanda – que serviu de cenário para a Muralha da China, um dos preferidos dos fãs dos jogos, Quênia, Hong Kong, Xangai e Inglaterra – nos lendários estúdios Pinewood. Mesmo com Jolie novamente perfeita como Lara, boas cenas de ação, ambientações e movimentos que lembravam perfeitamente os games – além de referências a 007 Contra a Chantagem Atômica e 007 – A Serviço Secreto de Sua Majestade, o filme não agradou os críticos e também não foi um grande sucesso de bilheteria nos EUA. Diferente do longa original de 2001. Com orçamento de US$ 95 milhões de dólares, Lara Croft Tomb Raider: A Origem da Vida arrecadou modestos US$ 21 milhões em seu fim de semana de estreia, conquistando uma bilheteria mundial de US$ 156,50 – números aquém dos esperados pela Paramount Pictures, estúdio responsável pela produção da aventura.

tombraider_aorigemdavida_04
Paramount Pictures

Lloyd Levin, um dos produtores dos longas, ainda tentou levar Lara Croft por uma terceira vez para as telas do cinema devido ao êxito de A Origem da Vida no mercado internacional, principalmente em DVD. Os planos caíram por terra quando Angelina Jolie afirmou não estar interessada em reprisar o papel por uma terceira vez: “Fico tempo demais longe de casa quando faço Tomb Raider e estou muito satisfeita com o segundo. Não sei se preciso de mais um”. Há dois anos segue em desenvolvimento um reboot cinematográfico de Tomb Raider, tendo como base o que foi feito no jogo de origem lançado com grande sucesso pela Square Enix em março deste ano. A idéia é mostrar uma inexperiente Lara, provavelmente interpretada por outra atriz, que terá um grande desafio pela frente: o de viver uma personagem que foi construída de forma definitiva por Angelina Jolie, e que transformou a atriz em musa e ícone de gerações.

Leia também: Angelina Jolie em ação: Lara Croft Tomb Raider: A Origem da Vida

De cara nova: Lara Croft: Tomb Raider

Paramount Pictures

Prestes a completar dez anos a adaptação de Tomb Raider ganha uma hipotética nova roupagem

Ainda lembro da alegria que foi entrar na sala de cinema em julho de 2001 para assistir pela primeira vez Angelina Jolie como Lara Croft em Tomb Raider. O irregular filme dirigido pelo inexpressivo Simon West pecou pelo fraco roteiro, mas a presença hipnotizante de Jolie como a arqueóloga fez da produção um dos maiores sucessos daquele ano.

Como produziria Tomb Raider se fosse o responsável pela adaptação? É isso que você confere a seguir.

A história

Lara Croft é contratada pela misteriosa milionária Jacqueline Natla para encontrar o poderoso artefato Scion, que está perdido em algum lugar do Egito. Lara encontra no Peru a primeira pista que a levará ao artefato, porém percebe as más intenções de Jacqueline e decide procurar por conta própria as demais peças que a levarão ao Scion. Quem ajudará a caçadora de tumbas nessa busca será seu mentor, o arqueólogo Werner vonCroy.

Paralelamente a isso Jacqueline não desistirá de colocar as mãos no poder do artefato e coloca dois membros de sua seita, o arqueólogo Pierre DuPont, que no passado viveu um caso de amor com a heróína, e o mercenário Larson para atrapalhar o caminho de Lara Croft e conseguir alcançar o Scion antes dela.

Obviamente Lara conseguirá encontrar o Scion nas pirâmides do Egito, que servirá de palco para o confronto decisivo entre a arqueóloga e Jacqueline. A vilã mostrará a Lara seus reais poderes e revelará sua participação na morte dos pais da heroína no passado.

Locações: Inglaterra, Egito, Grécia e Peru • Trilha sonora: Hans Zimmer

Lara Croft (Angelina Jolie), Jacqueline Natla (Sigourney Weaver), vonCroy (Sean Connery) e Pierre DuPont (Guillaume Canet)

Lara Croft – Angelina Jolie

Angelina Jolie foi e sempre será a escolha perfeita para interpretar a arqueóloga Lara Croft. Maior sucesso dos filmes originais, a belíssima estrela voltaria a usar trança, pistolas e regata na nova adaptação. Acostumada a filmes de ação e a dramas pesados, Jolie tiraria de letra, mais uma vez, o desafio.

Jacqueline Natla – Sigourney Weaver

Fascinada pelo mistério que envolve o artefato Scion, a milionária e feiticeira de uma seita obscura Jacqueline Natla seria interpretada por Sigourney Weaver. Dona de papéis memoráveis ao longo de sua carreira, a atriz seria uma adição interessante para a franquia. Tomb Raider também marcaria seu reencontro com o diretor Ridley Scott, após parcerias em Alien e A Conquista do Paraíso.

Werner vonCroy – Sean Connery

vonCroy, mentor de Lara Croft, seria o papel perfeito para o eterno Bond Sean Connery. Com seu refinado sarcasmo e carisma inconfundível, o astro faria uma bela pareceria com Jolie. Repetindo Corações Apaixonados, em que foram pai e filha.

Pierre DuPont – Guillaume Canet

Previamente o papel ficaria com Oliver Martinez (Infidelidade, Roubando Vidas), porém para interpretar o arqueólogo Pierre DuPont é necessário um ator que tenha talento dramático, o que falta em Martinez e sobra no francês Guillaume Canet. Considerado um dos melhores atores franceses da atualidade, Canet daria vida a DuPont aliado de Jacqueline e Larson na busca pelo poder do artefato Scion. Diferente de seus parceiros ele tem um passado com Lara, o que colocaria em questão sua fidelidade a seita comandada por Natla.

Larson (Daniel Craig), Amelia Croft (Jaqueline Bisset), Lorde Croft (Jon Voight) e o diretor Ridley Scott

Larson – Daniel Craig

O atual James Bond viveu no filme original o arqueólogo Alex West, interesse romântico sem sal de Lara. Na nova adaptação o ator interpretaria o mercenário Larson, aliado de Jacqueline na caçada a Lara Croft. Não haveria nenhum romance entre os dois.

Lorde Croft e Amelia Croft – Jon Voight e Jaqueline Bisset

Jon Voight, pai de Jolie, seria mantido na adaptação como Lorde Croft, agora um empresário e não um arqueólogo, e ganharia a companhia de Jaqueline Bisset como a mãe da arqueóloga. Ambos desaparecidos anos atrás em um acidente de avião, obra de Jacqueline Natla.

Diretor – Ridley Scott 

Simon West, equivocada escolha dos produtores para comandar Tomb Raider em 2001, seria substituído pelo competente Ridley Scott. Na época vivendo o sucesso de Gladiador, Scott seria a escolha ideal para comandar o longa que levaria Lara a misteriosas locações no Peru, Grécia e Egito. Além da Inglaterra, lar da heroína. Acostumado a filmes com visuais impressionantes como Blade Runner, o diretor também teve sucesso abordando com naturalidade mulheres fortes em Alien e Thelma & Louise.

Relembrando – Tomb Raider II: Estrelando Lara Croft

Divulgação

Um dos maiores responsáveis pela popularização do PlayStation – e de Lara Croft – no mundo completa quatorze anos em 2011

O primeiro “Tomb Raider” lançado em 1996 para Sega Saturn e posteriormente PlayStation e PC foi um enorme sucesso e apresentou ao mundo dos games uma nova heroína: Lara Croft, personagem criada por Toby Gard e que era inicialmente uma sul-americana chamada Laura Cruz. Sua transformação numa aristocrata e arqueóloga britânica veio da mistura bem sucedida de Indiana Jones, o gosto pela aventura e pela arqueologia, e James Bond, o charme e sarcasmo britânico. Pela primeira vez os jogadores teriam em mãos uma aventura de ação protagonizada por uma personagem feminina, dona de traços voluptuosos e uma destreza invejável com suas armas e acrobacias. Além do diferencial da protagonista, o jogo desenvolvido pela Core Design trazia enredo inteligente e desafiador com fases com quebra-cabeças complicados, que requeriam dos jogadores atenção e raciocínio rápido.

Dispostos a superar o sucesso do primeiro “Tomb Raider”, Core em parceria com a Eidos Interactive – dona do game – trouxeram inovações gráficas, de armas e movimentos para Lara Croft na sequência “Tomb Raider II – Estrelando Lara Croft”. Na aventura Lara parte em busca da mitológica Adaga de Xian, misterioso artefato escondido em catacumbas na Muralha da China e que segundo lendas transforma em dragão quem a enfiar em seu peito. O milionário italiano Marco Bartoli deseja o poder da adaga, e cabe a Lara evitar que o artefato caia nas mãos do vilão. Considerado por críticos e fãs como a melhor aventura da arqueóloga, “Tomb Raider II” leva a heroína a desvendar os mistérios da Muralha da China, dos canais de Veneza, além de uma estação petroleira, um navio naufragado e o Tibete.

Ícone dos anos 90

“Tomb Raider II: Estrelando Lara Croft” representou o auge em termos de qualidade para a série, o jogo era mais bonito e difícil do que o original e não foi superado pelos capítulos seguintes. Fases empolgantes e desafiadoras são a marca desse clássico que completará quatorze anos em novembro deste ano e que transformou Lara Croft em sinônimo de qualidade no mundo dos games.

Tomb Raider II: Estrelando Lara Croft (Inglaterra, 1997) Desenvolvido por Core Design. Produtora: Eidos Interactive. Cotação: excelente